26/11/07

Comunicação Fácil

Na era da informação todos nós estamos contactáveis a qualquer altura e anormalmente perto uns dos outros.

Digo anormal porque há relativamente pouco tempo não havia internet ou telemóveis, mas apenas telefones fixos que nos obrigava à sujeição de estar quer emissor, quer receptor perto do aparelho.

Quero com isto dizer que a comunicação se tornou banal. Podemos falar com todos a qualquer momento. E o que acontece quando algo se torna banal? Dá-se o desinteresse…

Senão vejam este exemplo pessoal: há vinte anos atrás, falar para uma tia emigrada em França, através do já velhinho telefone fixo, era uma emoção. A tia estava tão longe e não falávamos com ela há tanto tempo. Falava-se de tudo e mais alguma coisa sempre com um sorriso rasgado na cara. Falava-se de todos os acontecimentos importantes, os pessoais, os locais, de cá e de lá, de tudo. E culminava com as chamadas muitas vezes acabarem em lágrimas de parte a parte.

Neste momento existe uma chamada curta no aniversário quando acontece…

Pegando nos aniversários lembro-me de outro exemplo. Quando alguém fazia anos ou havia aquela chamada sentida ou guardava-se a emoção até um próximo encontro que ao acontecer se mostrava com aquele abraço ou aquele beijo. Agora uma fria e banal mensagem de texto, vulgo SMS, basta.

No meu tempo (até parece que já sou velho) recebi algumas mensagens de texto com os parabéns, mas eram telegramas e porque uma chamada dos Açores era muito cara.

É claro que há vantagens e estas talvez superem as desvantagens, mas agora relativamente às relações humanas, com todas as facilidades de comunicação, mail, Messenger, telemóveis, a emoção deu lugar ao desinteresse e à frieza no trato.

1 comentário:

Book Girl disse...

É por estas e por outras que continuo a viver presa ao "glamour" do passado.